top of page

A Psico na cultura: Livro o velho e o mar.

Olá! Tudo bem por aí?


Voltando à nossa série em que analisamos aspectos psicológicos nas obras culturais, vamos falar um pouquinho sobre um dos meus livros favoritos o clássico "O Velho e o Mar" de Ernest Hemingway.


"O Velho e o Mar", escrito por Ernest Hemingway e publicado em 1952, é um romance de grande impacto e profundidade emocional. A história se passa em Cuba e gira em torno de Santiago, um velho pescador solitário, e sua luta épica para capturar um peixe gigante.


Após um longo período de azar na pesca, Santiago decide aventurar-se além da costa em busca de um grande desafio. Ele acaba engajando uma batalha cansativa e intensa com um enorme peixe-espadarte. Durante dias, Santiago enfrenta a exaustão física, a solidão e as forças da natureza, mantendo sua determinação e coragem.


O livro explora temas universais, como coragem, perseverança, solidão e o embate do homem contra a natureza. Santiago representa a tenacidade humana diante da adversidade, a resiliência e a busca por um sentido na vida. Sua batalha contra o peixe se torna uma jornada de autodescoberta e superação pessoal, transcendendo o simples ato de pescar.


Ernest Hemingway, conhecido por seu estilo conciso e direto, cria uma narrativa rica em simbolismo e metáforas. Ele retrata a luta do velho pescador como uma reflexão sobre a condição humana, a dignidade, a idade e a força interior. O livro evoca sentimentos de compaixão, admiração e reflexão sobre a vida e suas vicissitudes.


"O Velho e o Mar" foi aclamado pela crítica e recebeu o Prêmio Pulitzer de Ficção em 1953. A obra é considerada uma das principais contribuições literárias de Hemingway e um clássico da literatura moderna. Sua mensagem sobre a perseverança diante das adversidades continua a ressoar com os leitores, tornando-a uma leitura atemporal e inspiradora.


E o que o livro tem a ver com a Psicologia?



"O Velho e o Mar", obra-prima escrita pelo renomado autor Ernest Hemingway, é um livro que aborda diversas temáticas psicológicas profundas. Ao adentrar nas páginas desse romance, somos imersos na história de Santiago, um pescador idoso e solitário, que enfrenta uma sequência de fracassos em suas empreitadas no mar. Nessa primeira parte do artigo, vamos explorar a resiliência do protagonista e o modo como ele lida com as adversidades e o sentimento de derrota.


Desde o início da narrativa, percebemos a coragem e a persistência de Santiago, que, apesar de sua idade avançada e das circunstâncias desfavoráveis, mantém sua determinação de ir em busca de um grande peixe. Essa busca é uma metáfora poderosa para os desafios que enfrentamos em nossas vidas. Santiago representa o espírito humano resiliente, capaz de enfrentar as adversidades e persistir mesmo diante do fracasso iminente.


O fracasso é uma realidade inevitável na vida de todos nós. Todos enfrentamos momentos em que nossos esforços parecem ser em vão, e é nesses momentos que nossa resiliência é posta à prova. Santiago nos ensina que, mesmo quando tudo parece perdido, é possível encontrar forças para continuar lutando. Mesmo quando está cansado, ferido e sozinho em seu barco, ele não desiste. Ele se mantém firme em sua determinação e continua a lutar contra as adversidades.


Essa resiliência de Santiago reflete a capacidade humana de lidar com a frustração e o desapontamento. Ele não se entrega à tristeza ou à autocomiseração, mas encontra forças para seguir em frente. Essa habilidade de enfrentar o fracasso com coragem e perseverança é um aspecto essencial da psicologia humana, e Hemingway retrata magistralmente essa dimensão na figura do velho pescador.



Durante sua longa jornada no mar, Santiago enfrenta a solidão e o isolamento extremos. Ele passa dias a fio sem companhia humana, com apenas a vastidão do oceano como testemunha de suas lutas. Essa solidão física é um reflexo da sua solidão emocional, que se manifesta em seu relacionamento com os outros pescadores e até mesmo com o jovem aprendiz Manolin.


O afastamento de Santiago do convívio social e sua conexão limitada com outras pessoas são elementos cruciais para compreender sua psicologia. A solidão é um fator que pode desencadear uma série de consequências emocionais, como a sensação de vazio, tristeza e até mesmo desesperança. Santiago, apesar de sua coragem e resiliência, carrega consigo essa carga emocional ao longo da narrativa.


No entanto, a solidão também oferece uma oportunidade de reflexão e autoconhecimento. É no isolamento do mar que Santiago tem a chance de se confrontar com seus próprios medos, inseguranças e anseios mais profundos. Essa introspecção é uma parte importante da jornada psicológica do protagonista e contribui para seu crescimento pessoal.


Além disso, a solidão vivenciada por Santiago também o aproxima da natureza e da grandeza do oceano. Ele se torna mais consciente de sua própria existência e do seu lugar no mundo. Essa conexão com a natureza é uma fonte de inspiração e força para enfrentar os desafios que surgem em sua jornada.


Ao longo da narrativa, Santiago enfrenta uma série de desafios físicos e emocionais, incluindo a batalha épica com o imenso peixe. No entanto, é sua força interior e sua crença inabalável de que a vida tem um propósito maior que o mantém perseverante. A esperança se torna uma âncora para sua psicologia, impulsionando-o a continuar lutando, mesmo quando todas as circunstâncias parecem estar contra ele.


A esperança desempenha um papel fundamental na resiliência e no bem-estar psicológico de um indivíduo. Acreditar que há uma possibilidade de alcançar um objetivo ou superar uma dificuldade pode fornecer motivação e determinação. No caso de Santiago, sua esperança está diretamente ligada à captura do peixe e à redenção de sua própria habilidade como pescador.


Além da esperança, o protagonista busca encontrar um significado maior em sua vida. Ele questiona seu propósito como pescador e sua relação com o mar. A luta contra o peixe gigante se torna uma metáfora para a busca do sentido da existência humana em face dos desafios e das provações. Santiago está em busca não apenas de um troféu físico, mas também de uma validação emocional e espiritual.


O questionamento do significado da vida é uma preocupação central na psicologia existencial, uma abordagem que explora a natureza da existência humana e a busca por propósito e significado. Santiago, em sua jornada solitária no mar, reflete sobre sua própria identidade e papel no mundo, enfrentando seus medos e enfrentando o desconhecido.


Ao final da história, mesmo que seu troféu seja perdido, Santiago encontra um sentido renovado em sua luta e uma conexão mais profunda com a natureza e consigo mesmo. Sua jornada não se trata apenas da captura de um peixe, mas de uma jornada interna em busca de significado e realização pessoal.


Em suma, "O Velho e o Mar" apresenta uma rica exploração da psicologia do protagonista, abordando temas como solidão, esperança e busca de significado. A obra nos convida a refletir sobre os aspectos mais profundos da condição humana e a força do espírito humano diante das adversidades. Ernest Hemingway, por meio de sua narrativa envolvente, nos leva a uma jornada psicológica poderosa e inspiradora junto ao velho pescador Santiago.


Escrito por Luciano Arruda, psicólogo e fundador do Fluidez Mental, seu contato é: luciano@fluidezmental.com.br






9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


Post: Blog2_Post
bottom of page